Feias, gordas e pobres – só pode ser inveja

Em homenagem à Mel, a primeira pessoa a me chamar de invejosa porque eu critiquei “estilistas” que vivem de fazer réplicas e vender por preço de original, transcrevo aqui este post, de outro blog que eu tinha e não atualizo mais. “Plagiei” a mim (com algumas pequenas edições):

“Foi em 2008 que descobri o que era um “blog de moda e beleza”, enquanto procurava fotos de modelos de vestidos pra minha formatura – em Direito – no ano seguinte. “Caí” em um e gostei da leitura, e os links do blogroll me direcionaram a uns que gostei, outros que nem tanto.

A grande atratividade dos blogs era a possibilidade ter acesso às novidades antes delas aparecerem nas revistas, e mesmo ver a opinião de uma pessoa que teve a oportunidade de testar algum produto e ainda teve a bondade de perder seu tempo para dar a sua opinião sobre ele ali, naquele seu espacinho, na sua hora de folga, abrindo mão de seu precioso tempo para prestar um serviço de informação a desconhecidos. Isso foi em 2008…

Veio o grande “boom” dos blogs, nem sei ao certo quando, só sei que quando vi tinha gente reclamando de empresas que tinham a cara-de-pau de pedir resenhas de graça, depois de mandar amostras e brindes. E usando Chanel, quando antes passava os fins de semana garimpando “achadinhos” em lojas de departamento. E largando o emprego pra viver de blogar.

Foi de uma hora pra outra – ao menos aos olhos das leitoras – que blog de moda e maquiagem virou um negócio rentável. Quem não tinha o seu e vislumbrou os $$, correu pra fazer – mesmo que nem soubesse o que falar do assunto (a imensa maioria). Pras “blogueiras ricas” foi mais fácil: só colocar um vestidinho grifado, uma bolsa Hermès, um sapato Louboutin, e voilà, temos um blog de looks do dia – que automaticamente é considerado “blog de moda”, mesmo que não haja textos sobre moda no espaço e  que algumas autoras em questão tenham um gosto duvidoso pra se vestir (ah, mas é um Chanel!).

Eu sou RYCA! RYCA!!

Junto com a repentina fama, surgiram legiões de fãs, carinhosamente apelidadas de “talifãs” por alguns. Até algumas “facções”, já que muitas vezes a blogueira “x” é inimiga mortal da blogueira “y”, e as fãs mais fervorosas compram brigas virtuais e até ameaçam de morte (tá, exagerei um pouquinho…).

Passou a ser muito comum ler em posts e em comentários, à exaustão, as expressões “haters gonna hate”, “só pode ser recalque” e “quem critica tem inveja porque é feia, gorda e pobre”. Como diria Sandra Annenberg: que deselegante!

Primeiro o são as que vão a esses blogs com o único intuito de ofender, o que é MUITO diferente de fazer uma crítica, já que críticas podem ser construtivas, e, a meu ver, o público que acessa tem o direito de criticar.

Depois, as próprias blogueiras, já que algumas tiveram o ego tão inflado pela quantidade de banners piscando na lateral e pelos comentários das admiradoras talifãs, que passaram a tachar qualquer tipo de crítica (ainda que construtiva) e divergência de opinião como “inveja” ou “recalque”, e o emissor da opinião como hater ou “feia, gorda e pobre”.

Ainda, as fãs, que idolatram suas ídolas e não têm senso crítico pra ponderar sobre determinada questão antes de tomar as dores e, elas mesmas, proferirem tais ofensas, como se estivessem esperando uma recompensa por defender a ídola. E, por fim, por parte dos que criticam tudo isso, mas usando os mesmos argumentos que os anteriores (olha o “gorda, pobre e feia” aí de novo!).

Talifan detected!

Ainda acompanho certos blogs; uns pelo conteúdo, outros pelas fotos, alguns pelas risadas, mas estou saturada de ver tanta baixaria e “barraco”. Então, ficam aqui as minhas “dicas de etiqueta” pra toda essa gente:

  • Às blogueiras, que lidem melhor com as críticas. Se tem gente falando que seu blog não tem conteúdo, que as propagandas não são transparentes ou que você já foi mais humilde, provavelmente é verdade mesmo. Pesquise e enriqueça seus posts, leia e aumente seu vocabulário, preocupe-se com a escrita e o visual. Afinal, se seu blog virou profissão, você tem o dever de ser profissional, sem essa desculpa que é um espaço pessoal e que você posta o que quiser e como quiser. Informe as leitoras quando for um publipost, elas têm o direito de saber que você vendeu a sua opinião. E não há nada de errado nisso, se você tiver vendido a opinião pra falar de algo em que acredita. Jamais associe a sua imagem a um produto que você não usa e não recomendaria se fosse de graça. Seja humilde sempre, ser esnobe é feio até pra Madonna, e vivemos no país dos 15 minutos de fama. Amanhã ninguém lembrará de vocêE, por favor, tenha bom senso ao incentivar o consumismo desenfreado, o mundo não é renovável.
  • Às fãs, que ajam como adultas, não como adolescentes. Não tem coisa mais feia e deprimente que mulheres crescidas agindo e se portando como teenagers! Se é pra ter ídolos, inspire-se em pessoas que lutem por um mundo melhor, que tenham feito algo de relevante, que se dediquem a causas nobres. Roupas, sapatos e maquiagens são pequenos luxos, adquiri-los não deve ser um ideal de vida. Tenha senso crítico, filtre as informações, conheça seu corpo, sua pele, seus cabelos e seus gostos. Você não precisa de uma coisa só porque a blogueira tem ou falou que aquilo é bom. Adeque seu estilo e suas compras às suas necessidades e seu estilo de vida, afinal, quem mora em Maceió dificilmente vai precisar de uma calça de couro “must have” pra ir pra balada…
  • Às pessoas que acompanham tudo isso e têm suas críticas, que tenham educação na hora de expô-las. Se a pessoa vai se ofender com uma crítica construtiva colocada de maneira não ofensiva, o problema é dela, que é insegura demais pra reconhecer um erro e tentar melhorar a partir dele. E só se manifeste se você tiver motivos e fundamentos, não faz sentido uma pessoa não gostar de algum blog e estar todo dia lá, dando F5, ofendendo e criticando. Audiência vale ouro (ou jabá) , não dê a sua pra quem não achar merecedor.

E, por favor, todas, vamos parar com o “feia, gorda e pobre”? Todos esses conceitos são preconceituosos e relativos. A beleza conforme aceita pela sociedade atual é efêmera, vai embora junto com a juventude ou com a validade do botox – e todas nós ficaremos velhas e enrugadas, independentemente da quantidade de plásticas, cremes, lasers e preenchimentos que fizermos. Gordas somos todas nós que não usamos 36 nem medimos 1,75, afinal esse é o padrão modelo de magreza. Feias são todas aquelas que não têm a cara da Barbie – até a über Gisele Bündchen foi chamada de “nariguda demais” no começo da carreira! Este padrão de beleza e magreza serve apenas para oprimir as mulheres e nos rotular por nossa aparência, fazendo com que nossa autoestima baixe (assim, podemos consumir mais). OBS: Esta reflexão seria feita por mim de forma muito superficial, então, por favor, acessem algum blog feminista como o EscrevaLolaEscreva e libertem-se destes conceitos de que mulher, pra poder emitir uma opinião válida, deve, obrigatoriamente, ser capa da Vogue. Essa ideia de mulher-decorativa é coisa do tempo das cavernas!

Também acredito que riqueza não se mede pelas roupas que se usa e pelo que a pessoa mostra aos outros, conheço quem não use nada de marca, more em um palacete e tenha a conta do banco recheada e quem que ande com a Chanel embaixo do braço pelas baladas top - mas só sai quando consegue convite e carona, e ainda bebe de graça no camarote alheio, porque todo o dinheiro que sobra das compras e gastos com salão cabe num cofre de porquinho…”

Mas um porquinho coberto de Swarovski!

About these ads

176 respostas em “Feias, gordas e pobres – só pode ser inveja

  1. Sis, seu blog é excelente, um sopro de ar fresco nessa época de blogs sem conteúdo. Parabéns. Escreve muito bem, claramente e com propriedade.
    [somente altere 'ídola' para ídolo, pois esse é um substantivo sobrecomum, não tem a forma feminina]. Bjs

    • Obrigado pelo comentário, Marggah! Mas eu encontrei ídola no dicionário!
      “S. f.
      Mulher amada, idolatrada.
      Estátua de divindade feminina.”
      ;)

      • Sem nenhuma intenção de polemizar, até porque eu lhe escrevi primordialmente para elogiar, é que o Houaiss também não reconhece ídola. Na internet realmente tem um dicionário que usa a palavra, porém há inúmeras outras referências que dizem que a mesma não é empregada (http://www.paulohernandes.pro.br/dicas/001/dica090.html). Complicado, não é mesmo?
        Certo ou errado, é só um detalhe – e não atrapalha o brilho do seu texto. Bjs

      • Rsrs, não entendi como polêmica, aliás, gosto de discutir essas coisas. “Me gusta” discutir a língua portuguesa! Pena que nem tudo tenha um consenso… mas acredito que com essas mudanças na língua (no caso, a presidentA) que vêm ocorrendo, visando que a língua fique, digamos, mais “feminista”, acho bem provável que, se esta forma ainda não é completamente aceita, em breve seja, pois nossa língua vive em transformação.
        Li uns textos bem legais por aí sobre o machismo na língua portuguesa, e creio até que a palavra “ídolo” seja um ótimo exemplo disso. Por que uma palavra que denota alguém digno de admiração não possui forma feminina? Assim como os grandes cargos até pouco tempo atrás não tinham, né?
        Obrigada pela contribuição, e espero que a língua evolua pro meu texto não ter uma gafe destas! rsrs

      • Já que estamos nos comments mimimi, o texto tá bem escrito, só troque o “taxar” por “tachar”.

  2. Adorei o post, acho q principalmente por toda essa baixaria em comentários que está tendo por aí. Pior q blog sem conteúdo, são as pessoas que “odeiam” blogs, mais vivem falando mal, ou seja acompanham de alguma maneira, não entendo pq alguém perde tempo com isso. Adorei o post, parabéns!
    bjssss

    • Obrigada, Bia! Confesso que às vezes eu entro em blogs que nem me interessam muito só pra ver alguma coisinha engraçada (sempre tem, rs), mas daí a fazer isso uma rotina, e dedicar meus preciosos minutos a escrever algo ofendendo aquela pessoa, com a única intenção de abalá-la emocionalmente (já que dificilmente estes comentários são publicados), é uma palhaçada. Chamar alguém de feia, ou criticar alguma característica física que provavelmente a pessoa já não gosta, é um golpe baixo, e que não acrescenta nada a nenhuma das partes.
      Ao mesmo tempo, eu já discuti uma vez com uma blogueira cujo blog eu gostava de ler por discordar de uma opinião dela e tentar lhe mostrar porque ela estava sendo contraditória, e tudo que a bonita soube fazer foi bloquear e chamar de hater… hahaha. Também é importante que estas pessoas aprendam que crítica nem sempre é ofensa, e que saber discutir e defender seus pontos de vista é uma ótima oportunidade pra ter algum aprendizado, né?
      Humildemente, acho que este mundo dos blogs, tanto por parte das blogueiras, suas fãs e de grande parte das pessoas que as criticam (ou ofendem), é composto por pessoas extremamente infantis. É triste ver umas mulheres crescidas agindo como se fossem adolescentes birrentas.

  3. Parabéns pelo texto! Na era do blogs, tornou-se raridade encontrar um com conteúdo realmente interessante! Seu texto deixou claro que ainda existe gente inteligente no mundo dos blogs! Parabéns mais uma vez! Beijo

  4. Adorei o texto. Sou apaixonada por moda, estudo e conheço na área. E acho absurdo que, com tanto tópico pertinente sobre o assunto, que merece ser apresentado e discutido, esses blogs de moda são tão vazios.

    • Exatamente. E as revistas vão num mesmo ritmo também, né? Acho que hj em dia sobra QI nesse mundo, e falta competência. Outro dia abri uma Elle pra ler, e teve uma matéria que não entendi nada, de tanta palavra em inglês, espanhol, francês, italiano e (juro!) até alemão que a colunista usou. Tudo isso pra se fingir poliglota (porque provavelmente só conhece aquelas palavras), mas conteúdo que é bom, zero.

      • Outro dia me deparei com um “artesões” na revista Elle, e fiquei meio decepcionada. Algumas semanas depois li seu post sobre estilistas que vivem de fazer plágios e fiquei pensando…. “O pior de tudo isso são as revistas de moda que endossam esses plágios, anunciando lançamento, recomendando…. É muita hipocrisia e falta de amor à profissao…” Ou seja, ando bem desacreditada nao só dos blogs, que aliás sao pouquíssimos os q sigo, mas sobretudo das revistas… Será que tem gente aqui que acha isso também? Quem sabe isso nao poderia ser tema de algum post teu? Bjo!

  5. Realmente..um sopro de bom senso, de português bem escrito, de palavras bem escolhidas para definir uma era onde, apesar de todos os avanços, ainda temos mais do que somos…
    è incrível como as pessoas crescem numa redoma onde a crítica, independente de qual seja, se torna ofensa pessoal. Blogs de “moda” sem informação alguma de moda! Como você bem salientou: se dá dinheiro, se tornou profissão, e com isso vem a responsabilidade que o profissional carrega consigo.
    Adorei seu texto.
    Parabéns!

    Beijo

  6. Oi!
    Sabe, nao sao apenas blogs de moda que passam pelo mesmo problema… Vejo a mesma coisa com blogs estilo diario – como o meu – que de uma hora para outra tem, sei la, centenas de seguidores e dai a blogueira passa a escrever para agradar quem le, sabe?
    Outro dia comentei num blog desses, pois achei que a menina tinha direcionado a raiva dela a algo sem sentido e feito comentarios preconceituosos… Eu critiquei e coloquei minha opiniao, nada de “sua feia, chata e boba”… Disse, educadamente, como aquele texto parecia, ao meu ver, tendencioso…
    Sabe o que ela fez? Editou o texto rapidinho, tirando a parte que eu tinha criticado, e adicionou uma parte ao texto original dizendo que tinha recebido comentarios (meu, logico) dizendo que ela era preconceituosa, mas que na verdade eu fazia parte de uma patrulha, mimimi…
    O que se seguiu foram varias seguidoras na mesma vibe que voce citou acima, defendendo com unhas e dentes seu idolo (sua idola? sei la… hahaha)

    Comentario enorme… Pra dizer que seu texto eh excelente!

    • Essa gente tá precisando de terapia, DJÁ! Acho que ninguém quer assumir que erra… um exemplo besta, mas uma leitora comentou a respeito de eu ter usado “ídola”, que, segundo o dicionário que ela cita, não existe. Já pensou eu ficar com raivinha porque fui corrigida, editar meu texto, e não reconhecer que possa ter errado? E olha que meu português é algo que me deixa sensível! ahhaahhaa!
      As pessoas não sabem diferenciar uma crítica, que normalmente é uma CONTRIBUIÇÃO, de uma ofensa infantil como “feia, boba e chata”. Idade mental: 12 anos de idade.

  7. Quanta verdade num post só. Ficou gigante mas concordo com cada palavra. Sou blogueira, meu blog não é grande e confesso: quem não quer ter milhões de acesso? Mas tanto leitora, como blogueira temos MESMO que ter bom senso e entender que hoje a grande maioria – principalmente os grandes blogs – são pagos e pronto. É tão chato ver um blog que era suuper legal, a menina escrevia super bem. Tempos mais tarde todos os posts são previsíveis, chatos e quase inalcançáveis (pelo preço de cada peça). Gosto de misturinhas tipo Zara com Renner e um Sapato Santa Lolla. Até porque eu ainda não tenho grana pra sair da cabeça aos pés só de Channel e essas grifes todas. Os blogs vieram pra ajudar ao acesso a moda, o que tá acontecendo nas passarelas que dá pra trazer pra nossa realidade do dia-a-dia. É triste ver que a grande maioria nem sabe o que tá fazendo na blogosfera, o outro terço tá preocupada em ganhar com esse mundo e sobraram poucas que o interesse é realmente ajudar e expor sua opinião sobre produtos do mercado. Tudo de bom pra você (:

    • Obrigada, Núbia (ficou enorme mesmo, né? Mas acho que os meus textos ficam quase todos! hahaha). Minha desilusão com blogs deve ser a mesma que a sua. Lá no comecinho eu gostava de alguns, que hj em dia são puro jabá e autopromoção. Você sente que, não só o conteúdo, mas a própria blogueira, também mudou. O que antes era escrito de forma mais próxima, ganhou distanciamento, parece que elas realmente se colocam em um pedestal e se acham famosas e celebridades. Ainda bem que a fama deste tipo de gente é passageira, daqui a poucos anos estas vão voltar às suas insignificâncias… e só quem tem conteúdo vai permanecer! ;)

      • Gostei muutcho da forma como você nos prende ao texto, e aí nem importa se é grande (: gosto de txtos grandes e com conteúdo. Distante mesmo, que a gente comenta e quaaaando há a aprovação do nosso comentário, não há resposta alguma. Onde que eu clico pra receber atualizações? (não achei ;P)

      • Putz, vou te confessar que eu tenho o blog mas sou meio zé ruela pra mexer com os recursos dele! Eu vejo que tem um pessoal que segue o blog, e assim eles recebem as atualizações, mas confesso que nem sei como faz! Esse wordpress mais falha e dá piti do que funciona, então eu me limito a posta, aprovar e responder comentários ;)

  8. Adorei seu Blog!!! é tão raro ver conteúdo bom nos blogs de hoje…
    lembro com saudade dos blogs de 2008 também! eu também ví tudo acontecer, e perder a vontade de ler os blogs que eu gostava…

    • Comigo foi o mesmo! Não leio praticamente nenhum blog que lia antes, e é incrível como o conteúdo mudou tanto, bem como a própria forma como a blogueira se porta ante suas leitoras…

  9. Que bizarro vc criticar itens “inspired” (não discordo, também sou contra) e logo depois postar um texto de outra pessoa com alterações misturadas no meio dele – apesar de ter dado os créditos, ficou muuuuuuuuuuuuito esquisito, ainda mais quando as alterações escritas por vc não são facilmente diferenciadas das escritas pela autora original. Bem contraditório isso viu? Link o post em questão, dizendo que achou muito bom etc, mas escreva um texto por si só, não copie descaradamente – dar os créditos não torna isso menos pior ou mais digno.

    • “Cêjura” que fez leitura seletiva? Porque o texto não é de outra pessoa, é meu, e estava publicado em outro blog, também meu. Tá tudo explicado lá no primeiro parágrafo, amada, volta lá e lê de novo até entender ;)

      • hahahahahahahaahhahhahaa, me diz que isso não foi sério… ela está criticando com vontade mas nem entendeu o que está escrito… eu recomendaria aulas de interpretação de texto, mas aqui nem é o caso, já que ficou claro que era um texto antigo seu.

      • Putz, não entendo como uma pessoa consegue ler uma parágrafo inteiro e só enxergar aquilo que ela quer criticar, mesmo estando tudo explicadinho… hehehe… Quis tanto arrumar um defeito qualquer e ainda pagou de tonta… Que critiquem com fundamento, poxa!

  10. Adorei o texto todo, principalmente a parte final da comparação com quem não usa roupa de marca mas mora muito bem e tem dinheiro, e quem se endivida pra comprar uma bolas Chanel ou coisa do tipo mas precisa raspar as moedas da conta pra isso… e às vezes no fim do mês fica até sem comer. Tudo pelo prazer de ostentar.

    • Nem precisava ir tão longe na comparação, eu acho que mesmo as blogueiras ricas e mocinhas da high society normalmente têm menos $$ que gostam de ostentar e que os outros pensam que elas têm… Mas quanto às mais pobrinhas, cansei de conhecer gente que mora num muquifo, mas vive montada na night, na esperança de arrumar algum riquinho que se apaixone por elas e case… rs

  11. Acompanho váaarios blogs, seja ele de moda, seja ele sobre livros, sobre novidades tecnológicas e depois que comecei a namorar confesso que até blogs masculinos (aqueles com piadas idiotas e quadrinhos feitos de memes) eu tô acompanhando! rs Mas adorei esse teu texto! Como acompanho muita coisa, consigo perceber que cada dia mais pessoas “santificam” blogueiras que no fundo não tem nada pra acrescentar… Ok, confesso que acompanho o blog de muitas delas pq me interesso em saber a cor que tá na moda, um esmalte legal que foi lançado e etc, mas muitas vezes vejo pessoas completamente obcecadas por aquele mundo de marcas, desfiles, eventos sociais e tal, a ponto de ser agressiva com quem comenta um simples “poxa fulaninha, dessa vez não gostei do look.. achei que não combinou muito com vc”… vem aquela enxurraaaaaaaaaaaaada de loucas falar que vc não vale anda.. perguntar pq entrou no blog então.. “cara, eu gosto do blog, mas desculpa se hj eu não curti muito o look dela tá?”

    Enfim, queria muito que os blogs literários fossem tão polêmicos quanto esses blogs de moda (?), queria muito ver alguém defendendo Guimarães Rosa com unhas e dentes! rsrs

    beiojos querida, vc ganhou uma talifã! (brincadeira, brincadeira!) hahahaha

    • Flávia, quadrinhos de memes são o meu pecado também! Morro de rir com estas porcarias quando estou à toa e afim de me “idiotizar”… kkkkk!
      Como respondi pra Priscilla, as pessoas têm cultuado pessoas vazias e de vida fácil, ao invés de cultuarem aquelas que acrescentam algo de bom ao mundo. Angelina Jolie, por exemplo, é linda, é excelente atriz, e é um exemplo de dedicação às suas causas. Dá pra ver que é algo que ela gosta de fazer, e não é só por promoção pessoal (como muitas celebs fazem). Mas as pessoas preferem idolatrar filhinhas de papai ou dondocas a seguir um bom exemplo e fazer algo de bom pro mundo (mesmo que seja um pequeno gesto). Fico realmente passada com a questão das peles. Eu achava que só gente velha, criada em outros tempos, e muito fútil ou ignorante defendesse o uso de peles. Aí vejo essas jovens de 21, 22 anos, usando casacos de raposa, e as fãs defendendo isso e acabou. Nem parece que cresceram assistindo aos desenhos de bichinhos da Disney e “Animais do Bosque dos Vinténs”, rs. Éramos pra ser a geração da consciência ambiental, da caridade, pra reparar aquilo que vem sendo feito por nossos ancestrais, mas, entretanto, nos tornamos a geração da ganância, do consumo, da irresponsabilidade, dos excessos… É deprimente!

  12. não tenho um blog de moda, mas de história onde compartilho assuntos desse tipo com meus alunos e com demais estudantes de humanas e interessados.

    as pessoas são realmente grosseiras nos coments, ainda mais qd se escondem como “anônimo”.
    porém jamais fui grosseira com os (poucos, ok) comentários que me deixaram. modero e ainda publico kkkkkkkkkkk mas essas blogueiras erram mesmo a mão.

    gostei do texto. esses blogs criam necessidades fúteis… as meninas divulgam um padrão de vida artificial. uma coisa meio novela do manoel carlos… irritante.

    • Acho que temos este culto aos bon vivants, pessoas que vivem vida fácil, supérflua e vazia. Bem coisa de novela, de filminho besta de hollywood, de site de fofoca mesmo. Estas pessoas são grosseiras porque não acreditam como alguém poderia não invejá-las, provavelmente porque ganham bem e trabalham pouco, mas esquecem que não são todas as pessoas que desejam viver este tipo de vida, e que este bom momento pelo qual elas passam é sim uma coisa passageira. Acredito que todo mundo gostaria de ter mais dinheiro, tempo, e de poder gastar um pouco mais consigo, mas de modo algum trocaria minha vida pela de qualquer uma delas ;)

  13. adorei o post. confesso que antes amava os blogs de moda, mas hoje cai na real que nem tudo na vida é roupa, sapato e etc.. feliz com o que escreveste, colocasse tudo o que pensei. Parabéns.

    • Acho que isso foi meio coletivo. Nunca fui ligada em moda, e, quando achei estes blogs, comecei a ficar com estas paranóias, de estar “na moda”, seguir tendências e etc. Ainda bem q foi algo bem passageiro!

  14. Olá, confesso que entrei no seu blog por indicação da titia Shame e gostei bastante desde post. Gostaria de saber se você me permite divulgá-lo lá no meu blog? Pois me identifiquei muito com o que você escreveu.
    Parabéns!!!

  15. É por essas e outras que eu acesso blogs como o Shame on You Blogueira. Se algo está alí, criticado de forma maciça, quer dizer que tem alguma coisa errada e precisa ser observada.
    Também tenho blog, desde 2009 e aprendo a cada dia observando as críticas dos outros. Nunca critiquei um leitor que tenha entrado no blog e dito “não gostei de tal coisa”… Eu entro num diálogo, pra saber o que melhorar.
    Não sei se já fui “gongada”, mas sei que já cometi erros e tenho o bom senso de olhar posts muito antigos, ver erros cometidos e hoje limados.

    Texto excelente!

    Beijo Grande
    Carla – @Maoslindas
    http://www.maoslindas.blogspot.com

  16. Muito bem!Adorei o post e sinceramente gostei muito de saber que há Brasileiros que escrevem corretamente o Português!Muitos dos Blogs de suas compatriotas eu só vejo para gozar mesmo!Muitos parabéns e garanto-lhe que vou começar a segui-lha mas não para gozar mas sim porque gosto verdadeiramente do conteúdo do Blog!!!

  17. Vivemos num tempo onde a autoestima passou a ser justificativa para criar vlog, contas no facebook e blogs de seja lá o que for.O grande problema de tudo isso é impor aos outros uma necessidade de afirmação que é só sua e não perceber que se você torna essa sua ferramenta um trabalho o seu compromisso deixa de ser apenas com o seu ego massageado e passa a ser compartilhado com aqueles que não tem a mesma necessidade que você.Expor as pessoas ao lixo é um crime contra a beleza da espontaneidade, do trabalho bem feito, da página bem escrita.Fico feliz que ainda existam seres pensantes nesse meio que realmente acredita que dita moda, mas na verdade só expõe uma face perturbada e altamente fragilizada.Obrigada pelo post, foi um espaço de ar puro no meio desse meio toxico.OBRIGADA!

    • Pois é, e eu acho incrível como as pessoas confundem esta exposição excessiva com alta autoestima, quando, na realidade, é bem o contrário, né? Pessoas com alta autoestima não precisam de adulação, bajulação, e de pessoas que passem o dia repetindo “linda”, “maravilhosa”, “magra” (agora td blogueira vive de dieta) e afins. E pessoas com alta autoestima costumam lidar melhor com as críticas e aceitar opiniões contrárias, ainda que discorde delas ;)

    • Putz, Patrícia, mas acho que aí é uma coisa que foge bastante da minha área de conhecimento… eu, particularmente, nunca estive em Portugal e só conheci pessoalmente um português, mas tive pouco contato… Até acredito que dizer o que os brasileiros pensam dos portugueses seria generalizar, né? Já que a opinião partiria do meu ponto de vista. ;)

      • Oh amiga eu só gostava de saber se no geral ainda pensam que os Portugueses são todos barbudos incluindo as senhoras é que que acho bastante graça à visão que apresentam de nós nas telenovelas,inclusive na fina estampa que começou a dar agora cá!Farto-me de rir com o Pereirão…o Aracy acho que é assim que se escreve,na realidade até o acho bastante fiel ao tipico homem Português talvez por isso ainda é mais delicioso!!!!

  18. Tudo que eu sempre pensei, muito bem dito, escrito e sistematizado por você!!!
    Parabéns pelo blog!
    O conheci através do Grupo Moda em Goiás, onde inclusive divulguei esse post, e já está no meu Blogroll.
    Leitura diária!
    Parabéns mais uma vez!

  19. Olá! Conheci o blog por meio da Blogueira Shame e confesso que adorei grande parte do conteúdo. Esse post, por exemplo, me agradou bastante! Concordo com tudo o que você diz, sobretudo com a parte referente às críticas. Acho que você soube explicitar bem seu ponto de vista, com muito bom senso. Acredito que críticas construtivas, como as feitas por você, são sempre bem-vindas. Eu mesma tenho um blog e acredito que posso melhorar muito ainda. Por isso, é sempre bom ouvir opiniões alheias, com fundamento, é claro! Enfim, quero te parabenizar pelo texto super bem escrito! Um beijo.

  20. Ufa! até que enfim leio algo que tava entalado na minha garganta, é bem por aí mesmo, não se deixam levar por esse consumismo desenfreado, seja você, mesmo usando uma bolsa da Riachuelo ao invés da Chanel, afinal… o que te define é sua personalidade, suas atitudes e não a roupa que você coloca no corpo e saí por aí desfilando suas etiquetas, como se isso fosse algo relevante, vestir-se bem é pra quem tem bom gosto, mesmo a roupa sendo de loja de departamento.

    • Bom gosto, conforto e adequação são as palavras-chave, né? Acho que, com essa tríade, a pessoa sempre vai estar bem vestida, independentemente do valor. Eu imagino as bloguetes peruetes todas montadas fazendo aqueles programas de índio que todo mundo tem que fazer às vezes… que coisa linda deve ser… hahaha

  21. Olá, desculpe não sei seu nome, embora já tenha lido alguns dos seus post, e admito que adorei todos. Com este eu quase tive um orgasmo, você absolutamente colocou em palavras o sentimento de muitas pessoas, inclusive o meu. Eu já tive blog, durante a adolescência, e no inicio do ano comecei outro, pra falar sobre cabelos e tals por que sou cabeleireira, e ainda sou muito insegura, e não tenho muita renda, então falo sobre produtos populares e baratinhos, eu não gosto muito de moda, mas tenho que estar por dentro de alguns detalhes neh! Tudo que você colocou nesse post, cabe pra todas as linhas de blogs, e existe sim muita falta de respeito uns com os outros, é um dos fatores pelo qual tenho até um pouco de medo de divulgar o meu… São poucas as pessoas abertas a assuntos que não sejam de total futilidade, e muitas, não se interessam por textos bem escritos e com sentido como este aqui, elas estão mais interessadas por marcas, e outras coisas que muitas vezes estão totalmente fora de alcance!!! Desculpe a falação, mas você chegou no êxtase da minha opinião, e agradeço por compartilha-la conosco!!! Fica com Deus, Bjões!!!!

    • HAHAHAHA! Po, orgasmo vc exagera, né?? Eu “não tenho nome”, meu alterego aqui é a “Sis”… hahaha! Não sou uma anônima com identidade “irrevelável” como a Shame, algumas leitoras sabem quem eu sou, mas prefiro que as pessoas venham ao blog somente pelos textos, acho que saberem meu nome ou conhecerem minha cara é irrelevante ;)
      As pessoas têm muita necessidade, hoje em dia, de denegrir a imagem alheia para se sobressair. Pra mim, isso só denota baixa autoestima! Acho que se seu blog é transparente e sincero, mesmo falando de produtos baratinhos, “se joga” e divulga! Tem muito público por aí querendo justamente estas dicas que você dá, porque produtos de beleza ainda são muito caros no Brasil, e nem todo mundo pode gastar 150 reais num potinho de máscara ou 90 em um vidro de xampu! Se você tiver medo de receber ofensas pessoais, faça como eu, não mostre a cara, afinal, o que interessa é o conteúdo, né? É irrelevante que as pessoas saibam quem está por trás do conteúdo se ele é bom e fala por si. Infelizmente, muitas pessoas não sabem dissociar uma coisa da outra, aí, quando não gostam do conteúdo, vão ofender a pessoa por sua imagem! ;)

      • Sis, adorei o texto. Senscional! Adorei tanto que queria comentar algo, mas tudo que eu tinha pra falar já foi dito nos comentários de outras pessoas por aqui então aproveitei pra ler os comentários alheios apenas… Hehe.
        Só tenho uma observaçãozinha sobre a sua resposta nesse comentário. A palavra “denegrir” significa “tornar negro” e é associada ao preconceito racial uma vez que possui conotação negativa. COM CERTEZA sua intenção não foi manifestar nenhum sentimento desse gênero, mas por ser uma palavra presente no seu vocabulário (pelo menos nessa resposta) achei que seria interessante o alerta para talvez no futuro não ser usada em algum texto no blog caso tenha sido apenas um vício vocabular se não, aconselharia ainda que palavra fosse substituída por outras como “difamar” ou “depreciar”, mas claro que isso é uma escolha sua.
        Beijos!

      • Carol, eu acompanho algumas dessas discussões sobre língua e etimologia das palavras, mas também acredito que “denegrir”, por mais que signifique “tornar negro, macular, manchar”, não tenha nenhuma origem que se relacione a pessoas negras. É uma palavra que vem do latim “denigrare”, e acredito que seja usada muito antes de qualquer tipo de discussão sobre racismo, ou até da escravidão de negros em si (em tempos passados, bem antes da colonização das Américas, outros povos foram escravizados, e não necessariamente eram negros!).
        Além do mais, a cor preta sempre foi associada ao mal, aos vilões e aos demônios. Não acredito, por exemplo, que quando falamos no “lado negro” estamos querendo nos referir a pessoas negras, e sim à cor preta. Mas claro que talvez esta questão de preto = mal, branco = bom tenha colaborado pros brancos se sentirem superiores aos negros.
        Não é um pouco de exagero a gente começar a riscar palavras da língua porque nós vemos conotação racista? Será que um negro entenderia que este significado teria a ver com ele, e não simplesmente com a cor em si? Estas discussões sobre o politicamente correto não foram longe demais? ;)
        De qualquer forma, obrigada pela informação!

  22. Em primeiro lugar queria dizer que gosto muito da sua forma de escrever, gostaria que fosse mais constante :)
    O que tenho a dizer é um copy+paste do depoimento muitas outras mulheres. Comecei a me interessar por esse tipo de conteúdo (moda e maquiagem) há uns 5 ou 6 anos e tinha essa mesma sensação de estar lendo a opinião de uma “amiga”. Acho que foi muito importante em uma época em que eu tentava encontrar minha identidade, fiquei vaidosa e aprendi a me cuidar. Mas não preciso dizer que foi um total desastre financeiro, eu ainda guardo um caderno – sim, um CADERNO, onde eu anotava o que as blogueiras indicavam e ia riscando conforme fosse comprando. A burrice me rendeu um rombo orçamentário e uma montanha de cacarecos que eu vendia de 6 em 6 meses. Minha lista de favoritos era imensa mas quando percebi que estava jogando meu dinheiro no lixo, fiquei chateada comigo mesma por ter caído nessa conversa.
    Hoje meus favoritos são bem poucos e há tempos que não compro por influencia, fora que me da um certo asco de entrar em certos blogs onde fica tão claro que é um engodo que acho que nos chamar de idiotas seria menos doloroso.
    Também fiquei me perguntando porque “tanta” gente tinha uma vida de classe A sem nunca ter citado o trabalho e eu tinha que me matar por 10 meses trabalhando todos os dias da semana, sem feriado ou dia de folga das 7 as 10 da noite. Dá uma sensação de “meu Deus, porque eu?”, levou tempo pra que eu me desligasse desse mundo cor de rosa. Meu sonho não é mais um sapato, uma bolsa, um vestido ou um batom. Hoje consigo viver em paz com o fato de não andar coberta de marcas internacionais, consigo ver que eu faço parte da maioria das mulheres que não podem acompanhar esse padrão de vida D&G…
    Continuo acompanhando blogs de moda e beleza, mas certamente são todos MUITO pessoais e é isso que me agrada. Gosto da idéia de ler pessoas reais, do mundo real, que não ficam “instagrameando”a vida enquanto eu ando de onibus e mal consigo digitar os números no sacolejo…
    Não leio mais a maioria desses blogs estrelados mas não é por inveja, é por não me interessar em um conteúdo (????) que não me diz nada.
    Por isso, te parabenizo mais uma vez e de novo – escreva com mais frequencia…já “favoritei” :)

    • Ih Lud, já estou constante demais… Enquanto respondo os comentários de vcs, tenho 2 trabalhos da pós pra entregar segunda-feira que ainda não comecei a mexer… hahahhahahha! Tô f****…
      Só vou ficar constante o suficiente quando começar a receber jabá e ganhar 100 mil por mês! HAHAHAHAHA!
      Acredita que eu fiz quase o mesmo que você? Quando fui ver, estava me endividando pra comprar coisas que, muitas vezes, nem combinavam comigo, ou que não uso o suficiente pra valer o gasto! Só que eu não tinha caderninho, ia salvando nos favoritos mesmo… rsrs.

    • Acho que o enjoo é geral. Acredito que, hoje em dia, o público delas deva ser constituído por adolescentes. Ou ao menos, quero acreditar que aquele povo puxa-saco talifã seja adolescente… ao menos justificaria… hahaha

      • Olha, acho que NADA justifica nariz em pé de tipo, BLOGUEIRA. O foda é essas meninas ou quaisquer outras se acharem “formadoras de opinião”. Mas é culpa do público, que idolatra, que faz tudo isso ser um grande showzinho pra elas.
        A crítica deve continuar SIM e ainda mais como a sua: construtiva!

      • Acho que as pessoas têm um apego excessivo pela “fama”. Se for ver, o que justifica as pessoas idolatrarem cantores, atores e etc? São pessoas normais, que deram a sorte de fazerem sucesso. Acho bizarro quando vejo gente acampando pra ver show, agarrando ídolos pra arrancar roupa e cabelo, e mesmo parando pra tirar foto e pedir autógrafos, tipo, tá, vc esbarrou com uma celebridade, e daí? É tanta obsessão que hoje em dia eles são escravos da fama e não têm privacidade…
        Até acho justo a gente admirar o trabalho de alguém, desde que seja um bom trabalho. Infelizmente, não é o caso da esmagadora maioria das blogueiras de “moda”…

  23. Eu amei o blog,amei o texto amei tudo.
    Sou leitora viciada em blogs e confesso que as”grandesblogueiras” não me encantam, um ou outro texto tenho paciência de vê e pouco me servem de inspirações afinal eu não tenho dinheiro p comprar uma Chanelzita e infelizmente para agradar o publico com uma roupa feia tem que ter um nome de peso na etiqueta.
    Sou fã de blogs criativos que montam looks maravilhosos um exemplo é o blog da Carol Burgo o smallfashiondiary.
    Resumido adorei seus textos e vou seguir o blog, creio que aqui vou encontrar dicas que realmente valem a pena já que agora também sou blogueira!
    beijos

    • “para agradar o publico com uma roupa feia tem que ter um nome de peso na etiqueta”. HAHAHA! Adorei! Eu tinha um outro blog, que já apaguei, em que eu falei justamente isso em um post, como as pessoas desejam algumas marcas só pelo nome, enquanto as peças deixam um pouco a desejar. Vou ser sincera, e provavelmente apedrejada, que as peças da Chanel, especificamente, não me atraem em absolutamente nada. Acho a maioria esquisita, perua ou senhoril demais, embora reconheça a imensa contribuição da Gabrielle Chanel para a moda feminina nos dias de hoje, afinal ela rompeu com todos os padrões de vestimenta feminina na época! Acho que minha birra maior é com o Karl… hahaha! Mas acredito que tenha-se que reconhecer que a marca Chanel é direcionada para mulheres mais maduras, e não pra jovenzinhas. O bom é que a influência da Chanel é grande, e aí surgem peças inspiradas (realmente, não cópias) que acredito serem mais atrativas. Sem entrar no mérito da polêmica da escravidão na Zara, por exemplo (até porque nem sou cliente da marca), mas eu achei interessantes os casaquetos de tweed, que são clássicos Chanel, que eles fizeram, com cores mais alegres, modelagem jovem, e alguns com spikes e tachinhas

  24. Nossa, amei o seu blog primeiramente. E você traduziu o que eu sinto. Não aguento mais a influência ruim que os blogs vem tendo no mundo. É gente tirando foto no espelho para mostrar a câmera, Iphone. É blogueira que não aguenta criticas ruins, sem contar as Thassias inspired que se acham it porque tem dinheiro. Acho que falta tolerancia para todo mundo. Vi o seu post sobre Sneakers e amei. Eu sinceramente amo tênis eu tinha aqueles nikes botinhas até que eu simplesmente parei de achar bonito. Quanto aos Sneakers eu gostei muito dessa nova moda, mas usaria porque realmente tenho um estilo mais básico, minha inspiração na hora de se vestir é a Megan Fox e a Gisele…. Agora achei uó essas meninas que até pouco são gostavam de Louboutin usando Sneaker porque ta na moda. Amei o seu site, você traduz perfeitamente o que anda engasgado.
    XOXO

    • Obrigada! Uma outra leitora fez uma observação interessante quanto aos “sneakers”, que estas meninas acham que, por ser peça da moda, vai com tudo que tenham no armário, inclusive com uma Birkin… rs. Só que não é bem assim, continua sendo um tênis, não dá pra usar com camisa de seda!

  25. Com certeza muitas de nós mulheres nos idenificamos muito com esse texto. Estou adorando seu blog e obrigado por ser “aquela” que usa seu espaço para compartilhar assuntos importantes e que expressam a mesma opinião nossa. Tenho vergonha de muitos comentarios quando leio alguns blogs, alguns sao engraçados mais muito outro sao apenas para ofender! Achei engraçado quando vc falou de roupa de marca e bloguinhos styles, conheço o blog de uma menina, é um blog simples e as roupas que ela compra sao de brechó, mas a menina se veste super bem e ainda dá dicas de onde comprar. Isso é usar a moda e a criatividade a favor e nao apenas o “bolso”! Pena que existam poucos blogs assim. Bjs

    • Obrigada pelos elogios! Olha, vou te dizer que já fiz alguns ótimos achados em brechós na internet, viu? Peças lindíssimas, de marcas caras, e com um preço bem bacana. Entretanto, tem um monte de brechó virtual que vende este tipo de peça pelo preço de nova, o que acho absurdo!

  26. Seu raciocínio foi perfeito, conseguiu resumir tudo que eu concluí após seguir muitos blogs por algum tempo. Qualquer um pode verificar a diferença entre os primeiros posts e os atuais. No começo indicavam produtos nacionais ou acessíveis, mas agora 90% são produtos caros e importados que a maioria de nós não tem, não terá ou nem precisará ter. A desculpa é que com o tempo passaram a conhecer o que é bom e se profissionalizaram, mas eu entendo que a maioria não é e nem pretende ser profissional da maquiagem e/ou da moda. Tais atitudes podem causar efeito contrário e afastar o público. Falta bom senso para entender que gostamos de conhecer um pouco de tudo, inclusive as grifes famosas das quais conseguimos adquirir algumas peças quando encontramos uma boa oportunidade, ninguém está defendendo radicalismo, mas que o foco tem que ser o que nos é possível, o que está na realidade da maioria das brasileiras, algo que deixe a vida de todas mais bonita e feliz.

    • O “se profissionalizaram” delas é igual a “ganhamos dinheiro pra esfregar na cara de vocês o que vcs não podem comprar”. Conhecer é justamente saber ao ponto de mostrar opções, tanto do que é caro, quanto do que é similar e barato. Elas simplesmente passaram pra uma faixa de consumo acima da que podiam pagar antes e não podem perder a oportunidade de esfregar isso na cara dos outros. Pra mim, esses looks do dia são só pra dizer “eu tenho, vocês não têm!”. E olha, não duvido que muita coisa seja fake, emprestada e afins, e que elas passem um ano inteiro juntando os trocadinhos pra poder comprar UMA bolsa Chanel e UM Louboutin. Tanto que tem umas que a gente só vê repetir a peça, né? Só porque é de grife internacional! Nada contra a pessoa pode ter juntado dinheiro pra ter UMA bolsa Chanel, mas porque vai precisar usar só ela, e de repente as de outras marcas mais baratas simplesmente não são mais usadas? ;)

  27. Sis, parabéns pelo blog. Eu o conheci por causa da Shame, e adorei a forma sensata e sincera com que você escreve seus posts. Gostei muito da maneira com que você aborda assuntos polêmicos, vários temas dos quais já havia pensado sobre, debatido com amigos e familiares. Temas que poucas pessoas têm coragem de abordar, como o caso dos vestidos, das bolsas e sapatos inspired, dos acumuladores, e agora das feias, chatas e bobas.

    • Obrigada, Laura! Não tenho muito com quem debater o tema, resolvi escrever e ver se o povo se interessava pelo assunto. Acho que deu certo! ;)

      • Lógico que deu certo. Eu gosto de temas polêmico debatendo um tema aprendemos mais e, às vezes até mudamos de opinião. Bom saber que em um lugar da blogsfera existem cabeças pensantes como você e seus leitores. Você tem algum email para que eu possa mandar sugestões de assuntos? Bjs

      • Laura, eu estou usando a aba “sugestões” do blog mesmo. To evitando que o blog tenha outros meio de contato, como redes sociais e e-mail, se não eu vou acabar sempre esquecendo de olhar alguma coisa, de responder alguém… Não to com vida fácil de bloguete pra estar conectada em mil coisas ao mesmo tempo… kkkk! Então, meu contato é através do blog mesmo. Algumas pessoas deixaram sugestões nos comentários do post, mas você pode deixar nos comentários da aba de sugestões, assim fica mais organizado ;)

  28. Sis, muito interessante o tema. Não sei se você tem conhecimento, mas o parlamento francês tem um projeto da deputada Valerie Boyer que obrigaria revistas, jornais e sites a identificar as imagens modificadas com o Photoshop com a frase “Esta imagem foi modificada digitalmente e pode não corresponder à realidade”. Parlamentares ingleses simpatizam e no Brasil o deputado Wladimir Costa (PMDB-PA) tem Projeto de Lei 6853/10 que, inicialmente, dirige-se apenas a imagens publicitárias que estava ou está sendo analisado. Aqui as imagens deveriam ter a advertência: “Atenção: imagem retocada para alterar a aparência física da pessoa retratada”.
    Apesar da banalidade com que é tratado, o tema é muito mais de saúde pública (para países que ainda tem essa preocupação). O Ministério da Saúde Espanhol iniciou, anos atrás, com incentivos fiscais a estilistas que usassem modelos não anoréxicas. Mais adiante com a polemica de Índice de Massa Corpórea e recentemente com a sugestão sobre não apenas as medidas, mas, também, os formatos de corpo. Depressão, bulimia, anorexia, entre outros transtornos alimentares, psicológicos e até psiquiátricos não podem ser ignorados. O assunto é extenso e você, certamente, terá muito pano pras mangas.

    • Não tinha conhecimento do projeto, mas acompanho algumas discussões sim sobre o tratamento de imagem. Há um tempão eu tinha um blog que falava de moda e beleza, mas pelo lado humorístico, do escracho, e lembro de ter feito um post falando sobre como estas indústrias de produtos de beleza tentam nos enganar com propagandas absurdas. É só olhar uma propaganda de rímel da Avon (cílios não sei quantas vezes maiores e mais volumosos), a imagem que usam na campanha é totalmente surreal, nem postiço fica assim. Bem como as propagandas de cremes redutores de poros e imperfeições – aquelas que tem um rosto da mesma mulher, metade com pele ruim, metade com pele boa. É uma coisa absurda!
      Aí ficamos buscando um padrão que não existe, achando que é um crime ter poros, dobrinhas, linhas de expressão e imperfeições…

  29. A maioria dessas blogueiras são pessoas altamente incapacitadas para entender moda enquanto conceito ou processo criacional. Elas apenas contribuem para a massificação de ideias medíocres e de efeito instantâneo. Ditam/vendem, prontamente, tendências de consumo, o que não necessariamente significa estar associado à moda. Muitas vezes, tenho a leve impressão de que essas “It Girls” são típicas leitoras de ponta de revista. Alimentam-se de uma Vogue mensal e acreditam que são capazes de manifestar suas inquietações “fashionistas”.

    Entre birkins, solados vermelhos e sneakers (horríveis), eu prefiro o silêncio daquele que “nada” sabe, mas que jamais se corromperia por inclinações imediatistas. Estilo e personalidade são eternamente admiráveis. Mercado e impulsos são tão descartáveis quanto aquele panfleto distribuído no sinal da esquina. Pensem nisso!

    • Você expôs um ponto bem interessante… Elas começaram seus blogs pra compartilhar suas opiniões, seus “achados”, e até mesmo pedir dicas e aprender, e hoje acham que são ditadoras de moda. Mas é bem isso que você expôs, só conseguem consumir e divulgar aquilo que salta aos olhos, o óbvio.

      • Sis, teu blog me conquistou, visse? Pela primeira vez, eu li algo coerente e sensato sobre esta onda de blogueiras e pseudo formadores de opinião. Vejo que o senso crítico e o discernimento predominam por aqui.

      • E quem diria que eu ia conquistar “leitores meninos” falando sobre essas coisas? Que bom! Já selecionei dois outros assuntos pra fazer post, assim que eu conseguir terminar e encaminhar uns trabalhos da pós, vou redigi-los!

  30. Eu comecei c essa história de acompanhar blog de moda de uns 3 anos p cá, no intuito de tentar ficar antenada com as tendências, mas já tem um tempinho que me encheu o saco, primeiro pq n tenho muito tempo p ficar acompanhando e tb pelo fato de achar totalmente fútil uma pessoa ter tempo de quase todo dia ta trocando esmalte de unha e consumir tanto e comprar tudo que tá na moda. Caramba, tenho nem dinheiro pra isso e mesmo que tivesse, meu dinheiro é muito suado, não dá pra ficar jogando fora assim não, ainda mais quando só se fala em consumo sustentável…Ainda bem que existem pessoas com bom senso nesse mundinho “bloguístico”…

    • É por aí mesmo, Nic! A gente esquece que elas GANHAM as coisas pra usar, testar, ou fazer o look do dia, e aí algumas pessoas acabam tentando repetir em casa, comprando alucinadamente…

  31. Como eu posso dar credibilidade a alguém que mal sabe se expressar, hein? Esta entrevista da blogueira Camila Coutinho para o Bom Dia PE (Rede Globo), revela a falta de um vocábulo preciso e verdadeiramente pobre! Além disso, fica explícito uma série de incoerência ideológicas, vulgo, contradições.

    Link: http://g1.globo.com/videos/pernambuco/bom-dia-pe/t/edicoes/v/consultora-de-moda-da-dicas-de-cuidados-com-a-boa-aparencia/1978240/

    Vamos lá:

    “A informação está aí, em revista, novela, TV, e internet.”

    Bem, essa resposta foi tão infeliz quanto alguém perguntar ao médico como emagrecer, e ele responder: – fechando a boca!

    Camila, honey, não basta apenas ter informação! É preciso que ela seja utilitária e não apenas mais uma ideia! A má utilização da informação pode ser pior do que pedir ajuda a um leigo. O que precisamos, de fato, é de bom senso e sensibilidade. A mídias sociais e os meios de comunicação serão apenas ferramentas de auxílio, mas jamais fontes seguras. Quiça, as novelas, né! (Ou será que ela estaria falando de ctrl c + ctrl v, hein? hahaha)

    “Um bom terninho, um jeans bacana, um colar legal e uma bolsa bacana, independente de marca…”

    Meninas, ainda preciso comentar esta frase? A sra. Coutinho aprendeu, definitivamente, que a função do adjetivo é qualificar o sujeito! kkkkkkkkkkkkkkk
    Tá tudo tão bom, bacana e legal que me senti no paraíso! (Eu sou mal, eu sei! rs)

    “uma bolsa bacana, independente de marca”? Aham, senta lá, Claudia… Com uma Givenchy diária no braço, tudo fica mais fácil, né, fia?!

    “Homem é só acessório!”

    Sempre soube que bons acessórios salvam um look feminino. Não sabia que esta ideia também era válido para nós, homens. Logo, me lasquei! Não tenho uma pasta “legal”!

    Resumindo: Palmas! Ela conseguiu se superar!

    • Rsrsrs, eu sou suspeita pra falar dessa moça, porque nunca gostei do blog dela, nem dos looks, nem do jeito “olha como eu sou engraçada” que ela escreve. Acho-a forçada. E breguinha. E deslumbrada. E que não sei como o povo a elegeu pra “ditar moda”. Mas isso é opinião pessoal também…

  32. Excelente! Muito bom!

    É por essas e outras que hoje me tornei muçulmana e passei a adotar o hijab: ele me liberta desse complexo, dessa ditadura da magreza e sensualidade! Me sinto muito mais valorizada! Continuo vaidosa, mas não mais paranóica! Ainda travo uma batalha interna pela minha auto-estima, por ela ter sido abalada por tanto tempo, mas creio que estou no caminho certo!

    E realmente, os parâmetros para um blog ser considerado, de fato, de moda… são confusos e questionáveis! Até mesmo um blog que “gonga” outros blogs de moda, às vezes pega pesado, divulga dados pessoais da “desafeta”… é complicado demais! Embora esse blog tenha sido muito útil para desmascarar blogueiras que só querem ganhar dinheiro às custas da boa fé das blogueiras desinformadas…

    Na próxima atualização, esse blog fará parte do meu blog roll :D

    Bjs

  33. O que vc fez com o outro blog (chic é ser educado)? Ainda o usa? Gostaria de passá-lo para alguém que queira escrever textos de acordo com o nome dele?

    Estou amando sua escrita. Super beijo.

    • Gláucia, por enquanto eu tenho intenção de manter o outro blog sim! Não tenho atualizado, mas tenho alguns posts que tenho a intenção de escrever… ;)

  34. Oi Sis, eu cheguei aqui por meio da Shame, seu blog é um dos mais inteligentes e bem escritos que já li. Parabéns!
    Bjnho de uma nova leitora,
    Liz

  35. Seria minha impressão, ou os blogs de decoração ainda se mantêm com uma energia muito mais positiva e amigável (inclusive uns com os outros)? Os de moda se tornaram um nojo, concordo, em sua maioria. Pena, porque os dois assuntos são agradáveis para as mulheres e até projetos legais como o UASZ desandaram totalmente. Em parte (grande parte) por culpa das talifãs que iludem as blogueiras decadentes com um retorno ruidoso, mas ínfimo diante da maioria silenciosa e decepcionada. Parabéns pelo seu texto lúcido e elegante.

    • Eu não costumo acompanhar blogs de decoração, então não sei dizer! Estou decorando e reformando minha casa, mas costumo jogar no google pra ver fotos das coisas que quero fazer, ao invés de acompanhar.
      Mas creio que os blogs de moda têm muito mais acesso que os de decoração, consequentemente, geram mais $$, atraem mais talifãs…

  36. Acho que não é só blogs de moda que tem isso é em quase tudo na vida, se vc tem sua opinião e diz que tal garota não é bonita ou tal coisa não é bacana, automaticamente as pessoas acham que é inveja da pessoa, é recalque, e etc..
    Mas esquecem de que ninguém nasceu pra agradar todos! E outra isso de não aceitar uma crítica e pior achar que é inveja ou besteira do tipo é coisa de pessoa que tem a auto-estima baixa, por isso não aceita nenhuma opinião ao diferente da sua, gostei do blog.

    • É isso que penso também, uma pessoa que só aceita elogios e não acredita em críticas é porque precisa dessa aprovação constante…

  37. Texto muito bom. Pertinente, bem escrito e com idéias claras e fáceis de serem entendidas e assimiladas. Só não concordo com a parte sobre “mulheres decorativas”, tempo da caverna, feministas e etc. Sempre há um preconceito contra as mulheres bonitas, e esse discurso de que “beleza passa” é mais do que ultrapassado. Tudo acaba. Saúde, juventude, beleza, dinheiro (talvez), e até a inteligência (já que os neurônios não são renováveis e os perderemos com o tempo) etc, e nem por isso deixamos de aproveitar nenhum ‘dom’ que nos é dado. a beleza feminina é, e sempre foi, um tipo de poder, muito forte por sinal. Um poder cuja existência é negada pelos que não a possuem. Li um texto na Super Interessante deste mês, muito esclarecedor sobre o assunto. Uma frase (que estava em destaque) me chamou a atenção: “Toda tentativa de proibir a exibição da beleza feminina é um ato nascido da inveja, pois a falta de beleza é regra universal”.
    A parte disso, concordei com todo o seu discurso.

    • A beleza feminina até pode ser um tipo de poder, mas o conceito de beleza é variável. Durante muito tempo, bonitas eram as mulheres cheinhas, com quadris largos. Hoje ninguém pode ter quadril nem barriguinha. Pelo nome com que você comentou, dá pra ver que você mesma luta contra esse conceito de mulher decorativa: vc usa o nome “Bonita”, mas coloca depois o valor do seu QI, como se dissesse “sou bonita mas não sou burra”. Se você acha que a beleza é um dom e você tem que usá-lo, ok. Eu só não entendo porque uma mulher inteligente precisaria usar sua beleza pra conquistar alguma coisa. Eu sou considerada “bonita”, estou dentro de alguns padrões de beleza, e certamente me considero inteligente, mas nunca precisei me valer do meu físico pra conseguir conquistar minhas coisas. Claro que em algumas profissões é essencial, difícil alguém querer ser modelo sem estar no padrão de beleza, por exemplo.
      Mas você provavelmente também é jovem, então me diga daqui a 20 ou 30 anos como a sociedade a vê, já que o que aprendemos desde sempre é que devemos ser eternamente jovens para sermos belas.

  38. Gostei! Pouquíssimos blogs de moda me interessam, dá a impressão que essas meninas vivem de assistir novela e comprar bolsas Chanel. O seu texto caiu como uma luva para mim, pois há pouco percebi esse conceito de “feia, gorda e pobre” ao que vc se refere… Fiz um comentário em um blog alheio dizendo que não entendia pq tds as gurias aderiram à tintura ombré (californiana) nos cabelos, que mts vão na “modinha” e que uma determinada “fia” havia ficado bem esquisita – na minha humilde opinião de quem nem sonha com uma bolsinha Chanel – pois a cor não favorecia o seu tom de pele, etc. Veja bem, não foi uma crítica severa, apenas disse que com os cabelos ao natural ela ficaria mais bonita, e que nem sempre a gente precisa de tanto apelo artificial para ser “fashion” ou “phyna”. Em minutos comecei a receber milhares de críticas, que meu cabelo devia ser horrível, que eu devia ser gorda, cheia de espinhas, para dizer aquilo… Fiquei chocada… Nem me dei o trabalho de replicar, de dizer, não queridas, na verdade eu sou bem magrinha, minha pele é ótima e meu cabelo é liso e até a bunda, lindo (natural e mt bem tratado) e não, eu não uso Chanel mas tampouco sou pobre (e, consequente, invejosa) apenas expressei minha opinião em um espaço que julgava ser aberto para isso. E justamente não respondi pq estaria entrando no joguinho, sendo que eu como vc não acredito que apenas as “lindas, magras e ricas” têm direito de opinar quando o assunto é beleza, já que, novamente como vc, acredito que beleza é algo mt relativo. Claro que nunca mais voltei a frequentar tal blog, pq para mim a opinião das leitoras equivalem ao conteúdo do mesmo – sou louca? Foi daí que fui entender oq são talifãs, só não consegui sacar qual a motivação dessa legião de terroristas. Afinal, a “fia” vai ficando cada vez mais “ryca” e, e na boa, caga (com o perdão da expressão) para as suas leitoras – se tivesse respeito por elas ao menos diria quando um post se trata de publieditorial ou “opinião própia”. Enfim, estou desabafando aqui, mas foi pq me identifiquei mesmo rs. Parabéns pelo texto ;^*

    • É bem isso mesmo, nem tudo cai bem em todo mundo, e as pessoas acham que toda crítica é desmedida. Embora às vezes dê vontade de dar um “toque de amiga” pra algumas pessoas que insistem em usar coisas que não lhes nada caem bem, também acho que gosto é muito particular… às vezes as pessoas também criticam coisas em mim com as quais eu não concordo, e confesso achar isso meio chato, mas algumas vezes a crítica tem fundamento, né? E a gente tem que saber filtrar, se a pessoa realmente pode ter razão, ou se só criticou por criticar mesmo. As talifãs, sem comentários, né, uma legião de imbecis sem pensamento próprio, que acham tudo que suas musas usam/ fazem lindo. Entendo que a sua intenção foi justamente dar esse toque de amiga, mas acho q hj em dia a gente deve guardar mais nossa opinião pra nós mesmos, porque dificilmente alguém vai aceitar esta opinião como sincera, ou por às vezes a gente se colocar no lugar da pessoa: vai que ela realmente adorou o cabelo novo, e seu comentário não acaba sendo simplesmente um balde d’água fria? Eu, por exemplo, tenho cabelos curtos/médios há 4 anos, e a maioria das minhas amigas (e inimigas, rs) acha um absurdo, porque acham que mulher tem que ter cabelão, ou que meu cabelo é muito bom pra ser usado curto. Aí quem são elas pra ditar como eu me sinto melhor, ou quem sou eu pra dizer que elas estão erradas e cabelo curto é a melhor coisa do mundo e eu me gosto assim? ;)

      • Então, concordo contigo (depois disso) que deveria ter resguardado minha opinião, mas acontece (algo que não deixei claro) que o comentário não foi feito no blog da pessoa em questão. Estava dizendo que não estava entendia pq tds as mulheres quando ficam “rycas” tingem o cabelo de loiro etc – e usei ela como exemplo pq justamente acho que tem um tom natural mt bonito, mas ok, era apenas uma opinião e duvido que a própria tenha lido ou o assunto chegado aos seus ouvidos. Foi algo furtivo, digamos assim, me escapuliu. Tipo, fulana, por exemplo, tinha um cabelão tão lindo, eu preferia ao natural… Saca, como foi uma tempestade em copo d’água? Algumas pessoas mais educadas responderam, poxa, eu gostei, ou não gostei, mas depois que uma fia lá comentou que eu só podia ter cabelo ruim para dizer aquilo (aquilo oq? não disse que estava feeeio, só que preferia como antes, que não a favoreceu) abriu a porteira do inferno, é, e deve ser gorda e pobre tb, e morrer de inveja dela ;^/ Eu hem… No fim foi bom para eu saber que na vdd quando (nesse tipo de blog) alguém pede sua opinião (gostaram, meninas?) não há um verdadeiro interesse nela se não for um elogio… Duvido que um simples, ah, não, preferia como era antes fosse bem recebido e entendo o pq, cada um tem o direito de escolher o que quer para si, assim como eu tenho direito de ter uma opinião sobre o assunto, já que está exposto para quem quiser ver… Direito de pensar, né, não de dizer, rsrs… Bjsss

      • Eu entendo perfeitamente a tua colocação, hj em dia tds estão ficando loiras e macérrimas, né? Mas é bem isso mesmo, quando pedem opinião, querem é elogios.

  39. Excelente texto!
    Muitas blogueiras deveriam (tentar) ler este, que considero, manual.
    Parabéns!
    Vou compartilhar! (com a devida e merecida referência!)

  40. Meus parabéns pelo post, muito bem desenvolvido, suas opiniões são realmente verdadeiras. Ps. Adorei tanto que fiz questão de falar um pouco sobre o que eu acho do assunto no meu próprio blog e divulgar esse seu post, que acredito que seja essencial para quem quiser entender um pouco sobre o assunto de uma maneira mais crítica.

  41. Escreves lindamente… Adorei a forma como abordas-te o tema e muita verdade aqui disseste :) Eu sigo algumas destas bloggers e a característica que mais admiro é a honestidade para dizerem de forma verdadeira aquilo que acham sobre um artigo x.
    Adorei!

  42. Olá,
    Raramente comento em blogs, mas vi o link no blog da titia Shame, e adorei o texto. Li inteiro e concordo com absolutamente tudo o que você escreveu. Bom saber que ainda existem blogs-blogueiras que conservam valores e princípios.

    Com carinho,
    Rayse.

  43. Olá. Gostei demais do post, sensacional! E, desculpe a ignorância (pois não faço parte desse mundo fútil das bloguetsss de moda), mas o que é IT GIRL? rs

    beijos!!

    • Putz, como é que eu vou responder? Rsrsrs. As “it girls”, ao menos nesse conceito dos blogs de moda, seriam referência de estilo, mulheres ou garotas com um senso estético apurado e que sabem compor looks harmoniosos e que saiam do comum, usando tanto peças clássicas quanto peças da moda, peças-desejo ou itens baratinhos. Entretanto, hoje em dia, as “it girls” são simplesmente mulheres mimadas, que têm acesso a roupas de grife e não têm estilo pessoal nem uma “identidade fashion”, simplesmente vão usando tudo aquilo que é tendência e juntando os trocados pra comprar roupas de grifes famosas, com a intenção de ser popular, de fazer parte de um meio em que elas estão inseridas, mas não possuem “bagagem” nem conhecimento…
      Bem, esse é o “meu” conceito de “it girl”…

  44. Ainda é tempo de comentar? Bem, se ainda lhe sobrar paciência para tanto, devo dizer que seu texto é irretocável! Concordo com todas as questões levantadas e tenho absoluta preguiça de ler certos comentários e, pior, de constatar – tristemente constatar, diria – que esses ‘talifãs’ se multiplicam net afora como cogumelos na chuva! Impressionante como num mero site de celebridades, onde comenta-se futilidades, as pessoas não possam dar opiniões contrárias à maioria daqueles que, penso, passam seus dias a idolatrar e comentar a vida de seus heróis. O mesmo se passa com os blogs de moda. Como diria o inesquecível Millôr Fernandes, ‘livre pensar é só pensar ‘…

  45. Pingback: Culto à babaquice | Manhê, quero ser it!

  46. Nossa, é tarde demais pra comentar nesse post?
    Embora nunca tenha sido adepta a blogs de moda por ser meio sem paciência pra essas coisas, sempre gostei de esmaltes, e procurando uma cor específica, acabava nesses blogs nos quais as meninas falavam das cores e davam dicas de moda, às vezes do tom de pele em que fica mais bonito determinada cor, enfim. Hoje em dia, as mesmas que mostravam colorama mostram Chanel, que na verdade é um lixo de esmalte, que custa mais de 50 reais e dura dois dias nas unhas…mas como elas dizem “super vale a pena”, né? É…só que não…
    O dia que eu usar um chanel no meu blog é porque ganhei, porque com 50 reais compro mais de 15 esmaltes nacionais bons hahahaha
    Quase morri do coração quando li numa resposta você escrevendo “Alta autoestima”, porque estou enjoada de ouvir as pessoas falando em “altaestima” e “baixaestima”. Vai pra blogroll, com certeza. Adorei a leitura!

    • Nunca é tarde demais pra comentar! Hehe! As pessoas perderam a noção quanto a algumas coisas… um esmalte é um esmalte! Mas acho que quem faz questão que seja Chanel normalmente é porque é um Chanel possível de ser adquirido por ela, né? Pode ser caro 100 reais um esmalte, mas 100 reais é um preço pagável para muitas por uma “peça” da Chanel…

      Quanto ao “alta autoestima”, é que a maioria das pessoas que não têm o hábito de ler desconhecem a grafia das palavras, o seu significado, e mesmo o que são prefixos e pra que eles servem, rs.

  47. Eu considero blogueira de moda = mendiga virtual, pessoas que não conseguiram se firmar em suas profissões e acharam no meio virtual a chance de aparecer. Claro, isso é possivel, visto a quantidade de gente desprovida se raciocínio lógico.
    Ignorei-as até o momento que percebi, que grandes empresas estão trocando modelos de verdade na divulgação dos produtos e nas camapanhas, por esses projetos de Barbie.
    Me incomoda a marca que uso, passar a disponibilizar de graça uma peça que eu como cliente pago caro, para uma fulana ignorante de moda, só porque acumulou X visitas de gente que nem vai comprar ou gastar o que eu gasto na marca. Estou deixando de usar marcas que eram conceituadas por isso.

  48. Ouvi falar do teu blog no Pimenta no teu e refresco e entrei disposta a te criticar por maguares pessoas que (ajudam) as pessoas diversas formas que decreveste por aqui e tomei um balde de agua fria e dos melhores ate agora eu sou de Angola e aqui ainda estamos distantes da moda gerar uma blogosfera mas por ter sido sempre o patinho feio entre as minhas amigas procurei forma de me enquadrar e cheguei nos blogs me tornei Numa seguidora assidua de todo e qualquer blog que achasse interessante… Enfim… O que eu quero agora e agradecer por mim e por todas as outras que devido a sua iniciativa sabem separar o joio do trigo OBRIGADA p.s agradecimento porque tem blogueiras que me Faziam sentir que o sol so brilhava sobre elas e afinal nao passam de uma mentirosas

  49. Simplesmente adorei! Adorei a forma como você escreve com clareza, leveza e o principal conteúdo!!
    A forma de expor seu ponto de vista (ídola) também e muito interessante!!
    Parabéns

  50. Gostei do texto mas acho que você se contradiz muito… diz criticar, e n ofender… no entanto, susas críticas sao um tanto ofensivas…e muitas vezes, dignas de “haters”…
    E, algo que anda me intrigando aqui… vc é amiga da Julia Petit? Ela faz elogios/recomenda ao seu Blog?
    ALTOS JABAS NO PETISCOS ALÉM DA GAROTA SOFRER DE ANOREXIA NERVOSA E “FIÚRA” (NO CASO; A AMIGA TB ERRA FEIO NO PORTUGUÊS)- Mas n é falado absolutamente nada por aqui… Já a vi falando de magreza como algo necessário e isso pode afetar (e muito) a cabeca de leitoras (principalmente as adolescentes)… no caso dela, é doenca ! E é muito notável. Mas n, n estou dizendo isso por inveja, recalque… nem pq possivelmente sou gorda e feia. Rs… sou médica, tenho hábitos saudáveis, corpo bonito (todo o corpo é bonito qnd ele é saudável e vc gosta dele, algo que digo muito para minhas pacientes…)
    Já vi garotas vindo aqui e dizendo que as blogueiras sao magras, que as modelos sao magras, que o bonito é ser magra e que querem algum remédio pq estao feias por pesarem 60kg medindo 1.65. O bonito hoje é nunca chegar aos 60. Abaixo dos 55 é o ideal… até 1.75… se tiver 1.65 nao pode chegar nunca aos 50kg!!!
    Absurdo, absurdo!!!!!!

    Adoro ler este blog pq ele tem um humor único! Os “emoticons” ficam suoer engracados, os comentários, as fotos horríveis e etc…
    Mas quando nos prendemos em criticar apenas “um lado da moeda”, percebemos realmente q n se trata apenas como uma análise geral e séria para alertar suas leitoras qnt aos seus direitos, falta de nocao, vocabulário e afins… mas sim de uma questao meio pessoal sim!
    Pq progete algumas e ataca tanto outras… as rebaixando ao ponto de sofrerem humilhacao? SE fizesse justica com todas, tudo bem… mas como n é o caso, n sei se te acho uma pessoa de muita opiniao… ou, uma outra possibilidade, sao interesses… aí tb, já é outra coisa…

    • Fernanda, sinceramente, não entendi o seu comentário. O meu blog nunca foi um blog de criticar pessoas. O máximo que eu faço, eventualmente, é criticar alguns comportamentos, e apenas em casos muito específicos eu aponto os nomes. No post da Val Marchiori eu, por exemplo, critiquei sim a Lalá Rudge porque achei a postura dela extremamente inadequada e hipócrita. Nem sei se eu já cheguei a apontar nomes de outras blogueiras de moda aqui e dizer algo específico sobre elas. Lembro de ter criticado também alguns estilistas por plágio, e as fotos mostram que falta sim criatividade praquele povo.
      Quanto à Júlia Petit, ela chegou a ler meu blog, gostou de meus textos e compartilhou no twitter, tanto que grande parte dos meus leitores encontrou meu blog através do compartilhamento dela e da Shame. Em relação ao Petiscos, eu sou sincera em dizer que eu acompanho poucas publicações, porque o site tem um volume muito grande de posts, bastantes colaboradores, e eu não tenho tempo pra olhar tudo. De vez em quando assisto aos vídeos dela porque gosto dos tutoriais.
      Acho complicado você dizer assim que alguém tem uma doença séria como a anorexia, porque cada um é cada um. A Júlia Petit é sim uma mulher bem magra, mas se você vir os vídeos dela fazendo penteados, por exemplo, vai ver que ela tem bíceps bem durinhos e definidos, e normalmente mulheres anoréxicas não têm boa qualidade de massa muscular (como médica, você deve saber melhor que eu que músculos se constroem majoritariamente na cozinha). Se ela já teve anorexia eu não sei. Ela não parece doente pra mim, nem é muito diferente da maioria das famosas do Brasil ou de Hollywood…
      Quanto à influência sobre as garotas da magreza e da pressão por ser magra, acho que não tem como apontar um único culpado. Até porque, no meio dos blogs, se formos prestar atenção, TODAS as blogueiras que ficaram famosinhas emagreceram, e pra citar só algumas que eu conheço, Lalá Noleto, Naty Vozza, Lalá Rudge, Lu Ferreira, Thássia Naves, Camila Coutinho… Inclusive, elas postam a respeito.
      Eu não acho que o incentivo à magreza seja pouco saudável, sou contra a forma que ele é feito. A magreza não é importante sozinha, a saúde é. Acho que a mídia deveria sim incentivar as pessoas a serem magras, ainda mais num mundo de fast foods e em que o bacon chega a ser idolatrado e que as pessoas bebem Coca-Cola no café da manhã, e que temos tantos casos de problemas relacionados à obesidade, colesterol e hipertensão arterial, quase tudo culpa da má alimentação e sedentarismo. Só que deveria incentivá-las a comer de forma saudável e praticar exercícios. Sou contra as dietas milagrosas, as pílulas milagrosas, os ingredientes milagrosos, sou contra essa gente que faz parecer simples emagrecer comendo tudo que se quer, porque isso é irreal. Mas não sou contra as pessoas quererem emagrecer, nem às pessoas magras influenciarem isso, desde que o façam da forma correta. O que sou completamente contra é ver crianças de oito anos de idade com barrigas penduradas pra fora das roupas e com três queixos de tão gordas!
      Acho que viajei um pouco na resposta também, mas não entendi alguns pontos da sua crítica pois não vejo humilhação a ninguém em nenhum texto meu.

      • Eu sou formada em Educação Física e sou professora de musculação. Concordo com todo o seu comentário, principalmente quando você diz “eu não acho que o incentivo à magreza seja pouco saudável, sou contra a forma que ele é feito. A magreza não é importante sozinha, a saúde é”. Se todas as meninas que chegam pra mim pedindo pra emagrecer 10 quilos em 3 meses, se preocupassem primeiramente com a saúde, o corpo bonito viria como consequência.
        Já vi tantos casos, mais tantos, de a menina emagrecer, ficar magra , mas não faz um exame de sangue para ver como está “por dentro”, e por muita insistência minha, acaba fazendo e pimba, colesterol lá em cima, triglicerídeos alterado. Mas claro, se a aparência está boa, tá tudo certo.
        E sobre as crianças de oito anos de idade obesas, eu vejo casos absurdos, onde crianças de dez anos já são hipertensas.
        Mas né, já fugi totalmente do assunto em questão, ahaha.

      • Barbara, todo muno dá uma escorregadinha de vez em quando, mas acho que esse culto à comida também ultrapassa os limites, né? As pessoas querem ser magras SEM exercícios e comendo TUDO o que querem (assim como querem ganhar dinheiro SEM trabalho, rs). Concordo com seu comentário em tudo. Dá-se valor à estética da magreza, mas não à saúde, quando a saúde é MUITO mais importante… Olha o quanto de dinheiro público se gasta em atendimentos a pessoas com problemas que elas mesmas se causaram! ;)

  51. Pingback: Sobre blogs e blogueiras | Frascos & Conchas

  52. Pobre dos Talibãs! Os caras se preparam, abdicam de coisas, sofrem e lutam por uma causa (válida no viés deles,talvez não no nosso). Lutam COM A VIDA. E aí vem a gente no mundo ocidental egocentrista,consumista e falso deturpar o nome deles por briguinha de criança. Affe! Adorei o texto,e odeio esses blogs, me fazem sentir um monstro :(

  53. Pingback: La mala educación | Manhê, quero ser it!

  54. Olá! Realmente amei seu texto. Comecei a achar chato blog de moda depois que eu percebi que ano após ano os “trend alerts” são sempre os mesmos… Esperava que, como vc disse, esses blogs mostrassem NOVIDADES, não coisas repetidas… Mas sim sempre há novidades, mas importadas de outros paises sem nenhum tipo de moderação… Moro na Inglaterra e curiosamente todos os trend alerts do Brasil estão a venda em qualquer lojinha de roupa e olha só, parece roupa de gente doida (na minha opinião, por favooor). No blog, a menina fica linda e deslumbrante com aquela roupa x, mas não combina com mais nada, vai ser usado naquela estação e acabou. As novidades (no meu ver) não se encaixam no estilo brasileiro……. e aquelas coisas que todos podem usar todo mundo já usa! QUAAAAL O SENTIIIDOOO??

    Queria muito ver coisas novas que todas as humanas pudessem usar… Pq afinal de contas dinheiro compra roupas e não bom gosto (em alguns casos bom senso :S )
    Confesso que ainda acesso muitos pq… Aaaah são tão bonitinhos!! Mas infelizmente não há nada de novo no fronte! Novo mesmo são pessoas como você e tantas outras que possuem opiniões interessantes sobre essa coisa de “ser bloggeira”. Parabéns e espero que essa coisa passe e comecem a mostrar o bom gosto REAL das pessoas!

    Beijos :D

    • Uma vez li uma entrevista do Evandro Santo que faz o Christian Pior no pânico, eu detesto esse programa, mas o que ele disse me chamou a atenção e é o que você mais ou menos disse no comentário.

      Ele disse ” A coisa mais fora de moda é a blogueira pretensiosa, que quer dar dicas. As blogueiras pegam muita informação lá de fora e têm que entender que o Brasil tem outro clima. A brasileira tem 1m65 e peitão. Quem se mata para ser europeia é cafona demais”.
      E isso é o que são os blogs de moda hoje em dia, não tem conteúdo pra se discutir, a maioria dos “look do dia” não são adaptáveis à vida e o bolso da maioria das pessoas. Não faz sentido pra mim.

      Ah, aqui tem o link da reportagem onde ele disse isso: http://moda.terra.com.br/spfw/famosos-no-spfw/quem-se-mata-para-ser-europeia-e-cafona-diz-evandro-santo,fe7988443fd8a310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

  55. Posso estar super atrasada mas concordo plenamente com tudo o que você disse. Meu blog não é famoso (aliás, nem pretendo torná-lo profissão) e não quero perder nunca o meu jeito. Não quero nunca trocar minha garimpada em lojas por exibição de hermès. Sei que pode parecer estranho já que a maioria das “blogueiras novatas”, com menos de 1 ano de blog, nasceram com o intuito de enriquecer e imitar as tão amadas idolas. Acho que o mundo de blogs de moda e beleza é cada dia mais falso e inútil, as vezes me envergonho de falar que tenho um blog e a pessoa me associar a esse tipo de blogueira.

    • Os blogs começaram com essa boa intenção, de compartilhar dicas, mostrar ‘achados’, que a gente podia se vestir mais bonitinha e sair do comum… aí viraram essa batalha de egos que aí está!

  56. Agora imagina que saco encontrar as “it girls” pessoalmente e tentar conversar com elas. Sobre o que elas falam? Da t-shirt “podrinha” que elas estão usando que custa R$ 400,00 mas que “suuuuper vale a pena”? Deusmelivre. A impressão que elas me passam é de que são pessoas chatas e que não sabem rir de si mesmas.

  57. Minha insatisfacao é geral; com blogueiras “profissionais”, com leitores mal educados, com criticos que acham que suas opnioes sao unicas e melhores e com a padronizacao (nem sei se esse termi existe em pt) de “aceitacao” que a sociedade impoem.

    Acho esse assunto uma faca de dois gumes. Não sou blogueira mas tenho um canal no yt e percebo que o problema é um combo. Na bloggosfera brasileira, principalmente (sigo blogs do mundo inteiro), ha uma grande padronizacao. Não tem diferencial ou autenticidade. Qundo mudei para a Europa pude perceber como nos, mulheres brasileiras, vivemos em uma pressao social: tem que ser magra, tem que ter bunda, peito, cuidar da aparencia fisica, mental e posar como nao tivesse nenhum problema emocional. Quem foge desse padrao só pode se infeliz ou incapaz.  Pelo lado das blogueiras, uma vergonha alheia, enganar o publico com essa imagem de vidinha perfeita (perfeicao nao existe). Por parte das leitoras idolatrar coisas tao banais. Por parte dos criticos, nao serem educados e entender que, sua critica pode ser construtiva para vc que tem um certo gosto, uma certa opniao… Mas pode nao ser construtiva para outras pessoas que possuem gostos tao diferentes, se nao for um crime cometido, basta fechar a janela ou ignorar, nao precisa humilhar e tomar de palavras pesadas para deixar claro que ha opnioes diferentes. E, por parte da sociedade, que preciona tanto, que cria tantos padroes, que praticamente te obriga ser de certa forma para ser aceito (que atire a primeira pedra quem nao quer ser aceito e amado). Falta amor para entendermos que as vezes o que parece feio, brega e ridiculo aos nosso olhos pode ser lindo aos olhos alheio e, essa diferenca, nao nos faz melhor ou pior que ninguem, afinal, somos todos livres para fazermos tudo aquilo que desejamos (desde que não interfira na liberdade do proximo) e sem sermos julgados.
    “Ah, mas essa roupa, essa maquiagem… Caramba… Nao da para ser mais normalzinha?”. 
    me diga: o que é ser normal? Porque onde vivo, normal é ser você mesmo, fazer o que lhe faz bem, o que lhe deixa feliz e seja la de cabelo rosa ou cilios gigantes, usando sapatenes ou apenas o basico (dentro das leis e com bom senso). Falta compreencao e falta muito, mas muito carater em ambas partes. Deixei de acompanhar muitos blogs por causa de jaba, nunca sei quando é verdade ou mentira, nao comento mais para nao ser interpretada de maneira errada e, principalmente, porque cansei de blogueira de nariz em pé… Mas tambem nao concordo com gongacao que muitas pessoas fazem por comentario, ridicularizando e ofendendo (mimada, burra, sem personalidade) no que é diferente (sabemos quando é critica construtiva ou puro recalque).
    Gostei do seu texto e, gracas a Deus, nao me serve a carapuca em nenhum dos lados… Porem, como youtuber acabo pagando o pato pela falta de carater e personalidade que muitas blogueiras tem, pela falta de educacao de muitos usuarios que só acham bom tudo aquilo que lhe convem e pelo idolatrismo de seguidoras que fazem do ato uma tempestade. 
    Como vc disse, passamos em blogs para rir um pouquinho, se “maravilhar” com a diferenca de gosto… Mas daí pontar o dedo na cara da pessoa é algo bem diferente.

    Ps: perdao pelos erros de pt.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s